Perspectivas econômicas para 2017

      Nenhum comentário em Perspectivas econômicas para 2017

As equipes de economistas do mercado financeiro estão trabalhando, neste começo de ano, com dois degraus de projeção de crescimento do país para 2017: um claramente abaixo de 0,5% e outro entre 0,6% e 0,8%. No patamar de 1% para crescimento do PIB do Brasil temos a projeção oficial divulgada recentemente pelo Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Por que temos projeções muito abaixo de 1% dada por alguns agentes do mercado financeiro? Estão realistas? Ou será que o governo com 1% de crescimento é que está muito otimista? Quanto ao governo estar otimista esta é a maneira usual de ser e de agir, pois- como sempre- atuam mantendo as expectativas positivas dos agentes econômicos, e ao assim fazer, também garante a formação de expectativas favoráveis para os níveis de investimento dos empreendedores.

Vamos examinar alguns fatos e fatores que podem alterar o comportamento do PIB de 2017. Para este ano, teremos a comercialização de uma safra agrícola recorde. Apenas a safra de grãos de 2016/17 totaliza aproximadamente R$ 200 bilhões. Incluindo os demais produtos, como a cana de açúcar, a receita do setor pode ser muito superior a R$ 230 bilhões, o que seguramente também trará benefícios para as cidades. Este comportamento é bem distinto do observado no ano passado.

Teremos também, a partir de fevereiro, os pagamentos dos salários atrasados dos funcionários públicos de importantes estados (RJ, MG e RS). Juntamente a este processo, também teremos a destinação de recursos vindo dos saques das contas inativas do FGTS e que devem trazer dois efeitos, um sobre a redução do endividamento das famílias e outro de estimular a compra dos bens de consumo, tanto de bens de consumo não-duráveis quanto os duráveis.

Em investimentos temos ações sobre alguns segmentos de infraestrutura como obras em aeroportos internacionais e regionais, a retomada de aquisições da Petrobrás em diversos programas, incluindo o pré-sal, e facilidades de crédito para que empresas nacionais e estrangeiras operacionalizem com recursos as concessões e privatizações em análise. Estas ações trarão benefícios para estas áreas.

Também, uma série de ajustes setoriais e microeconômicos estão sendo realizados e que promovem uma rápida readequação das instituições como o BNDES, Banco do Brasil e de outras empresas do setor privado às suas funções. O Banco Central está analisando a redução ou readequação dos compulsórios. Atualmente, a alíquota é de 45% para os depósitos à vista; de 25% para depósitos os depósitos a prazo, como os CDBs e de 24,5% para os depósitos de poupança. As médias e pequenas empresas serão as sérias pretendentes aos recursos resultantes destes ajustes e programas. Pode ser que a expectativa de reversão na tendência de crescimento do desemprego venha a ser um fato claro em meados do segundo semestre do ano.

No setor de turismo existe a expectativa de que um ano com mais feriados favoreça o setor. Existe uma visão controversa do efeito desta maior quantidade de feriados sobre o comércio. Alguns realizam projeções negativas enquanto outros avaliam esta agenda como positiva para o setor.

O comportamento do câmbio seguramente estimula a desvalorização do Real: tanto sobre o efeito causado por aspecto externo- com o FED praticamente garantindo a “tendência” de alta dos juros-, quanto sobre o efeito causado pelo mercado interno, com a redução da Selic. As empresas exportadoras e outras que são impactadas pela fraca demanda do mercado doméstico serão estimuladas a colocar seus produtos no mercado internacional. Novo ano de possível resultado favorável para o resultado em transações correntes do balanço de pagamentos do país.

Apesar do bom desempenho dos fundamentos econômicos básicos deste primeiro trimestre do ano, a indústria como um todo ainda está respondendo diretamente ao baixo desempenho da procura por bens pela sociedade e não apresenta sinais claros de recuperação. As grandes empresas, entretanto, podem ser estimuladas a corrigir a perda de competitividade advinda da necessidade de realizar adequações tecnológicas e podem lançar novos IPO’s.

Deverão contar com uma colocação firme de ações dado pelo apoio das instituições financeiras privadas ao setor. As empresas favorecidas, neste caso, poderão ser a do setor de bens de capital e as que atuam no segmento de matéria prima. Esta expectativa, entretanto, considerando uma situação extremamente favorável, estimularia a demanda dos investimentos apenas a partir do último trimestre do ano. É uma necessidade empresarial advinda da necessidade de recompor o atraso tecnológico pelas empresas do país.

As grandes incertezas estão com a própria política fiscal brasileira, com Trump, com o dólar mais forte e com o Brexit. O governo, ao menos até o momento, mostra que não deverá cair na tentação de estimular novamente o crescimento econômico com os seus gastos. Parece, também, ser clara a manifestação de que não cairá nesta trincheira ao estar exigindo uma reciprocidade financeira por empréstimos da União destinados a importantes estados para saldar os seus compromissos administrativos.

O aumento da taxa de juros norte-americana causará um aumento dos custos para as empresas que têm necessidade de buscar recursos no exterior para se financiar, captar recursos, ou adquirir produtos ou matérias-primas importadas. Estas empresas terão de pagar mais pelos recursos externos ou pelos produtos importados. A pressão de alta sobre a taxa de câmbio (pressão para a desvalorização do Real) poderá causar um aumento da inflação. Neste caso, porém, com uma demanda ainda desaquecida, com taxas de juros elevadas- mesmo que ocorra a redução na taxa básica para um dígito- e com os benefícios dados pela oferta de produtos da safra brasileira, o impacto sobre os preços deverá ser pequeno.

É verdade que alguns destes fatos ocorrerão de forma aleatoriamente distribuída durante este ano. Também é verdade de que o crescimento será tênue. Mas, o comportamento do PIB, principalmente em consequência de ações que acontecerão no primeiro semestre, poderá não ser tão desanimador quanto o indicado por algumas instituições do mercado financeiro- abaixo de 0,5%- e pode ser que a projeção divulgada pelo Ministro da Fazenda indique, também, uma nova forma mais realista de informar a expectativa de crescimento da economia brasileira.

Fonte: SEGS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.