PASSEIO VIRTUAL X – SISTEMA DE ENSAQUE – PARTE I

Eng. Rafael Resende Silva

Chegamos a ultima parte do nosso passeio virtual e aqui vamos falar sobre sistema de ensaque.

Após o resfriamento e aplicação de líquidos podemos fazer o ensaque direto ou passar por um conjunto de silos que chamamos de multipartículas.

Os silos de multipartículas é um conceito que se utilizava anos atrás quando a ração pet começou a fazer sucesso e teve sua primeira onde de crescimento, em meados dos anos 2005 a 2010, as extrusoras não tinham a tecnologia para produzir mais de um formato e tão pouco trocar a cor do produto a cada 25 – 30segundos.

Dessa forma para finalizar uma produção era preciso horas ou dias de produção para que todos os componentes estivessem dentro da mesma embalagem. As empresas que optavam por fazer rações coloridas ou com vários formatos precisam de no mínimo 6 silos e com um bom volume para que fosse armazenado várias produções antes que todas fossem misturadas.

O mais comum de se fazer nessa época eram os formatos de Ossinho Branco, Coração vermelho, a bolinha caramelo, quadrados verdes e triângulos Laranja. E cada produção era armazenado em um silo e posteriormente era retirado através de válvulas rotativas.

O mais importante dessa dosagem é que cada partícula era dosado em uma porcentagem diferente, para que houvesse contraste de cor na ração. Com o passar do tempo outras formas de dosagem foram surgindo como calhas vibratórias e esteiras com taliscas.

Mas o que realmente facilitou o trabalho da produção foi fazer mais de um formato na mesma matriz. O desenvolvimento da engenharia de produção  de matrizes avançou muito em meia a corrido por redução de tempo na produção de rações e economia de espaço dentro da fábrica.

E a próxima etapa que ainda interferia muito na produção era a questão da variação de cores, ainda se fazia necessário fazer algumas bateladas de ração somente com a cor branca que era do osso e posteriormente os demais formatos com cores variadas e no fim o ossinho se juntava com o restante da produção e seguia seu caminho até o ensaque.

Mas os tanques de corantes automatizados mudaram essa visão do mercado agilizando o processo de aplicação de liquido, e com maior precisam e menos manhas, pois anteriormente grande parte das empresas utilizavam somente o corante em pó que era dosado no misturador e a cada troca de cor era necessário fazer uma higienização no equipamento para que não houvesse interferência na cor seguinte.

Com a aplicação de cores direto no canhão e com a possiblidade e mudar a cor no tempo que o cliente quisesse muito se agilizou em processo produtivo e restart up, reduzindo o tempo de máquina parada.

E por ultimo chegamos na ensacadeira mecânica que como comentei no vídeo não é mais mecânica pois as máquinas da Ferraz trabalham com células de carga melhorando a precisam de descarregamento e reduzindo tempo de ajuste do peso pelo funcionário.

Qual a desvantagem desse equipamento?

Em comparação com o equipamento que vamos ver na quinta feira ele tem menor produção e precisão em comparação com a  ensacadeira automática, mas em compensação possui um preço mais atrativo, principalmente para quem está entrando no mercado agora.

Por hoje é só pessoal, resolvi dividir esse vídeo em dois para conversarmos separadamente de cada maquina de ensaque.

Vou ficando por aqui um forte abraço e até quinta!

 

Eng. Rafael Resende Silva

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.